Caiu na Área #46 – Top 10 últimos treinadores da Seleção Brasileira | FUTIRINHAS

Caiu na Área #46 – Top 10 últimos treinadores da Seleção Brasileira

Por Vinicius Oliveira, do DiBico 

Depois de longos dois anos no comando da Seleção Brasileira, Mano Menezes finalmente foi demitido de um dos principais cargos do país. Ontem, inclusive, o DiBico comentou sobre os treinadores especulados para ocupar a vaga deixada por Mano.

Você se lembra dos últimos dez treinadores da Seleção Brasileira e como eles se saíram no cargo? Não? Nós te lembramos então.

1 – Mano Menezes

Período: 2010 – 2012

Aproveitamento: 69,7 %

Títulos: Superclássico das Américas 2011 e 20112

 Mano Menezes assumiu a seleção brasileira em 2010 com uma incumbência principal: renovação. O treinador teria que dar chance aos novos astros que não tinham oportunidades com Dunga, como Ganso e Neymar.

Isso ele até fez, contudo, desde o início, mostrou-se perdido. Mano fracassou na Copa América de 2011 e mais ainda nas Olimpíadas deste ano. Já deveria ter sido demitido há muito tempo, mas foi apenas agora que apresentava algum avanço. Certamente não deixará saudade.

2 – Dunga

2006 – 2010

Aproveitamento: 76,7 %

Ao final da Copa do Mundo de 2006, o treinador Carlos Alberto Parreira foi demitido. Com isso, vários nomes foram especulados na época. Porém, praticamente ninguém pensou em Dunga. Isso porque o capitão do tetra nem experiência como treinador tinha.

Dunga foi uma aposta inventada pela CBF e o sucesso que teve até 2010 não se refletiu na Copa do Mundo do mesmo ano. Questionado por muitos principalmente por escalações polêmicas, como a de Felipe Melo, e pela ausência de Ganso e Neymar na Copa do Mundo, Dunga viveu uma relação conturbada com a torcida e, principalmente, com a imprensa.

Mesmo assim, Dunga foi um cara vencedor na Seleção Brasileira, principalmente se compararmos com Mano Menezes. Ele conquistou a Copa América de 2007 e a Copa das Confederações de 2009. No entanto,fracassou na Copa do Mundo com um de seus pupilos fazendo uma grande besteira no jogo derradeiro.

3 – Carlos Alberto Parreira

2003 – 2006

Aproveitamento: 66,07%

Na sua segunda passagem pela Seleção Brasileira, Carlos Alberto Parreira tinha um time formidável nas mãos. Kaká, Ronaldinho Gaúcho e Adriano em suas melhores fases, além de Ronaldo Fenômeno, que era sempre Ronaldo Fenômeno. Além disso, tinha Robinho se destacando.

Parreira montava o famoso quadrado mágico, mas mesmo com todos os títulos pré Copa do Mundo conquistados, já que o Brasil não teve representante no futebol masculino nas Olimpíadas de 2004, não obteve o sucesso esperado. A Seleção Brasileira saiu nas quartas de final para a Françade Zidane.

Com o insucesso, todas as conquistas foram esquecidas, e Parreira ficou marcado por não ter conseguido controlar tantas estrelas juntas.

4 – Felipão

2001 – 2002

Aproveitamento: 77,33%

Luiz Felipe Scolari assumiu a Seleção Brasileira em um momento bastante delicado, quase ficando de fora da Copa do Mundo de 2002. O Brasil só conquistou a suada vaga para o Japão e a Coréia do Sul na última rodada das eliminatórias, quase matando os brasileiros do coração.

Em 2002, o Brasil chegou desacreditado na Copa e Felipão soube unir o grupo em prol do objetivo em comum: o pentacampeonato. Mesmo assim, não faltou pressão para Luiz Felipe Scolari. A decisão polêmica de não convocar o baixinho Romário envolveu até o presidente da república.

Com o título mundial, Felipão foi praticamente considerado herói ao formar a “Família Scolari”. Sem dúvida nenhuma, ele teve seus méritos. Mas, falando a verdade, aquela Copa do Mundo foi uma das mais fáceis da história. Holanda não se classificou, Argentina saiu na fase de grupos, Itália e Espanha foram garfadas contra a Coréia do Sul e o Brasil ainda teve dificuldades para passar da Turquia. Contudo, a história nem vai se lembrar desses detalhes.

5 – Leão

Período: 2000-2001

Aproveitamento: 43,33 %

Leão talvez tenha sido o pior treinador a assumir o comando da principal seleção do mundo. Um sacrilégio que quase culminou com a inédita desclassificação para a Copa do Mundo.

Leão chegou a fazer convocações bizarras como Robert e Leomar. Veja o nosso “poderoso” time para a Copa das Confederações de 1999:

Goleiros: Dida (Milan – Itália), Carlos Germano (Portuguesa) e Fábio Costa (Santos);
Laterais: Zé Maria (Perugia – Itália), Evanílson (Borussia Dortmund – Alemanha), César (São Caetano) e Léo (Santos);
Zagueiros: Lúcio (Bayer Leverkusen – Alemanha), Edmílson (Lyon – França), Caçapa (Lyon – França), César (Rennes – França);
Volantes: Vampeta (PSG – França), Leomar (Sport Recife), Júlio Batista (São Paulo) e Fábio Rochemback (Internacional – RS);
Meias: Robert (Santos), Zé Roberto (Bayer Leverkusen – Alemanha), Ramon (Fluminense) e Vágner (Celta de Vigo – Espanha);
Atacantes: Élber (Bayern de Munique – Alemanha), Washington (Ponte Preta), Anderson (Lyon – França) e Magno Alves (Fluminense).

6 – Vanderlei Luxemburgo

Período: 1998-2000

Aproveitamento: 69,61 %

Vanderlei Luxemburgo começou até bem na Seleção Brasileira, conquistando a Copa América de 1999. Porém, ficou muito marcado por problemas judiciais durante o período. Primeiro, sofreu com acusações de identidade falsa e logo depois de sonegação fiscal. Após o fracasso nas Olimpíadas de 2000, Luxa não conseguiu se manter no cargo e foi demitido.

7 – Zagallo

Período: 1994 – 1998

Aproveitamento: 80,19 %

O aproveitamento de Zagallo nesse período fala por sí só. O Velho Lobo deu continuidade ao trabalho vencedor de Carlos Alberto Parreira e se saiu muito bem.

Em 1997, Zagallo conquistou a Copa América e a Copa das Confederações.  Infelizmente, não conseguiu o título da Copa do Mundo, pois perdeu para a França naquela dia bem esquisito que todos nós nos lembramos bem. O título teria consagrado definitivamente o maior campeão do mundo de todos os tempos.

 8 – Carlos Alberto Parreira

Período: 1991 – 1994

Aproveitamento: 74,47 %

Carlos Alberto Parreira assumiu o comando de uma seleção com pouca qualidade técnica, completamente desacreditada e conquistou a Copa do Mundo de 1994. Com isso, conclui-se que sua passagem foi um sucesso, ainda mais com o título mundial depois de 24 anos de jejum.

No entanto, há quem diga que o sucesso daquela seleção se deve a uma única pessoa: o baixinho Romário. Sim, é verdade que o peixe desequilibrou em 1994, mas é muita injustiça falar isso. Parreira teve seus méritos.

9 – Paulo Roberto Falcão

Período: 1991

Aproveitamento: 55,88 %

Em 1986, Paulo Roberto Falcão aposentou sua carreira de jogador. 4 anos depois, ele comentou a Copa do Mundo de 1990 pela Rede Manchete. E, pelo visto, deve ter comentado muito bem, pois no ano seguinte recebeu o convite da CBF para treinar a Seleção Brasileira, mesmo sem nenhuma experiência anterior como técnico.

Desde o início, Falcão foi muito contestado pela imprensa. Com o seu péssimo aproveitamento e com o vice da Copa América de 1991, ele  se foi demitido sem nem ter completado um ano no cargo.

10 – Sebastião Lazaroni

Período: 1989 – 1990

Aproveitamento: 71,43 %

Sebastião Lazaroni é um dos técnicos da Seleção Brasileira menos queridos da história. Isso porque ele comandou a seleção que ficou conhecida como “Geração Dunga” e que perdeu para a Argentina nas oitavas de final da Copa do Mundo de 1990.

Antes da Copa da Itália, Lazaroni foi campeão da Copa América em 1989.

Matemática:

Na minha opinião, considerando apenas o resultados obtidos pelos treinadores e desconsiderando a qualidade técnica deles, podemos fazer essa comparação entre eles:

< Leão < Lazaroni < Falcão < Mano Menezes < Luxemburgo < Dunga < Parreira (2ª passagem) < Zagallo < Parreira (1ª passagem) < Felipão

Comentários

INSCREVA-SE EM NOSSO CANAL
Pelada na Net
Não Intendo Tenso O Macho Alpha Testosterona Capinaremos Mentirinhas Will Tirando
Categorias
<